O desafio da gestão de patches de terceiros

O Endpoint Configuration Manager (antigo SCCM) e o Intune são excelentes ferramentas para a gestão de patches da Microsoft. Apesar de novas funcionalidades implementadas para patches de terceiros, isso ainda pode ser um grande desafio para as organizações em geral.

Patch Vs nova versão de software

Esse é um aspecto importante para enteder a dificuldade para atualizar os softwares de outros fabricantes com as ferramentas da Microsoft.

Em uma tradução literal, a palavra patch significa “remendo” ou “curativo”. É exatamente essa a função dessas atualizações: substituir executáveis ou DLLs que tenham problemas de segurança, “remendando” o software.

A questão, é que muitos fabricantes de software, não lançam patches de segurança para seus produtos, e sim, uma nova versão do produto. Isso torna o processo de distribuição desse software a todos os clientes mais complexa. O procedimento para distribuir uma atualização é diferente do procedimento para distribuir um software.

No caso dos patches, o fabricante disponibiliza um catálogo de atualizações, que são utilizados dentro da ferramenta para determinar que computadores necessitam as atualizações e em quais computadores elas já estão instaladas, quais atuailizações devem ser baixadas e de ondem elas devem ser baixadas. Isso permite acompanhar a instalação dos patches e gerar relatórios que nos indicacam o percentual de computadores que estão de acordo com as políticas de segurança da empresa.

Com as atualizações de versão, isso não ocorre.

Qual é a última versão desse software?

Talvez a principal questão na atualização de softwares seja justamente identificar que uma nova versão do software foi disponibilizada. Se for um processo manual, será necessário entrar no site do fabricante, identifcar a última versão disponibilizada e baixa-la para depois distribuir. Sem contar as atividades dentro da ferramenta, como por exemplo, criar pacotes de distribuição. Esse esforço deve ser multiplicado pelo número de aplicações de terceiros envolvidas.

 E se alguém mantivesse para uma lista de softwares para mim?

Esse é o “pulo do gato” na gestão de atualizações de terceiros. Existem ferramentas no mercado que se propõe e, mais do que isso, se especializam em listar softwares de terceiros e controlar a atualização dentro do ambiente.

Alguns deles, se integram diretamente com as ferramentas da Microsoft, permitindo que o adminsitrador distribua as atualizações de terceiros em conjunto com as atualizações de produtos da Microsoft. Isso permite o controle total de compliance dentro do ambiente, com relatórios precisos sobre quais computadores tem quais atualizações instaladas.

Patch My PC

Uma das ferramentas que fazem essa integração, tanto com o SCCM quanto com o Intune é o Patch My PC. (http://www.patchmypc.com). Como o nome sugere, se trata de uma ferramenta especializada na atualização de computadores, com foco na atualização de softwares de terceiros. Essa ferramenta tem alguns números impressionantes:

  • 300+ softwares de terceiros suportados
  • Usado em mais de 7 milhões de endpoints

Essa ferramenta consegue “empacotar” de forma automática os softwares de terceiros que devem ser atualizados na corporação e permite que eles sejam distribuído de acordo com as ondas de atualização que o administrador programar no ambiente. Além de economizar muitas horas de trabalho, acaba garantindo que as atualizações certas vão chegar aos computadores certos.

Gestão de patches como serviço

A iamit oferece a gestão de patches como serviço. Nós ficamos responsáveis por identificar, homologar e distribuir os patches no ambiente, com garantia de SLA e relatórios de conformidade. A utilização de ferramentas como o Patch My PC, ampliam em muito as possibilidades do serviço, garantido compliance também para ferramentas de terceiros.

Se está em busca de mais agilidade na gestão de patches de sua empresa, agende uma reunião conosco. Estamos à disposição para tirar todas as suas dúvidas sobre o nosso serviço de gestão de patches.

Os benefícios do outsourcing de Service Desk para as PMEs

As pequenas e médias empresas têm como uma das metas mais importantes cortar custos e manter a qualidade dos serviços . Esse é um desafio que exige muito planejamento e boas escolhas, como o outsourcing de service desk.

Afinal, é imprescindível ter um foco no que realmente é necessário para uma corporação, independentemente do tamanho, atingir bons resultados nas vendas. Ter um parceiro estratégico no segmento de Tecnologia da Informação (TI) é fundamental para as PMEs terem um ambiente favorável para executar os serviços dentro das melhores práticas de mercado.

Neste artigo, vamos detalhar vários fatores que abrangem a contratação de service desk por companhias de pequeno e médio porte. Confira!

O que é Service Desk?

Essa prática pode ser considerada uma evolução do famoso help desk, responsável pelo atendimento de primeiro nível em que as demandas são mais simples e resolvidas por um apoio remoto de um técnico.

No caso do service desk, o atendimento envolve situações que exigem do profissional de TI um bom nível de conhecimento, porque as solicitações de suporte não são resolvidas com extrema facilidade. Em outras palavras, é necessário um domínio diferenciado para prestar um serviço adequado.

Dependendo da situação, o service desk também pode funcionar com uma consultoria de TI. Nela, a empresa recebe orientações sobre como investir em tecnologia para otimizar o atendimento ao público-alvo.

Esse ponto mostra como é relevante o outsourcing de service desk ser uma medida de estratégica, para uma empresa atuar de maneira mais ágil e direcionada para atingir as expectativas dos clientes.

Qual a importância do Service Desk para as PMEs?

O setor de TI tem um papel cada vez mais impactante para o bom desempenho no mundo corporativo. Esse aspecto cria a necessidade de o gerenciamento dos serviços tecnológicos ter um elevado grau de profissionalismo e de eficiência.

No caso das pequenas e médias empresas, criar uma equipe interna de Tecnologia da Informação pode ser um grande risco por diversos motivos. Um deles é a dificuldade de oferecer recursos adequados para esses profissionais em virtude dos elevados custos com sistemas e infraestrutura de rede.

O segundo é que alguns profissionais de TI enfrentam dificuldades de acompanharem as melhores práticas do setor. Ao investir em outsourcing de service desk com inteligência, uma organização tem mais possibilidades de usar a tecnologia para interagir da melhor forma possível com os consumidores.

Essa iniciativa também evita que um empreendedor perca tempo em avaliar quais são as melhores ferramentas para os serviços de TI seguirem boas práticas. Afinal, essa responsabilidade passa a ser exclusiva da empresa contratada.

É muito importante contar com o outsourcing de service desk, porque é possível que as PMEs obtenham uma série de vantagens com essa prática, como:

  • Comunicação mais eficiente e clara com os clientes;
  • Redução dos impactos negativos em eventuais falhas de serviço;
  • Expansão da produtividade dos empregados por causa do suporte mais adequado;
  • Mais organização das demandas de TI da empresa;
  • Melhoria da imagem corporativa ao adotar boas práticas de atendimento para o público interno e o externo.

Como funciona o Outsourcing de Service Desk?

Para essa recurso ser utilizado de maneira correta, é fundamental que haja uma boa gestão das atividades de TI. No caso do Service Desk, a equipe recebe as demandas que são organizadas de acordo com data de chegada e o nível de prioridade.

Esse setor é acionado para atender situações que se caracterizam pela complexidade, como problemas em aplicativos, softwares de segurança, infraestrutura de TI, mau funcionamento de hardwares, entre outros.

Em geral, é informado ao demandante um prazo para o atendimento ser finalizado. Essa iniciativa é recomendada para mostrar uma boa comunicação e um comprometimento na resolução do problema.

Podem ser usados sistemas para o cliente interno ou externo avaliarem a qualidade dos serviços prestados. Esse indicador é interessante para uma companhia constatar os resultados do investimento em outsourcing de service desk.

Quais os benefícios do Outsourcing de Service Desk para as PMEs?

Uma gestão de TI deve ser pautada pelo profissionalismo e pelas melhores práticas. Adotar esse princípio é o mínimo que o empreendedor deve fazer para uma empresa ser mais competitiva. Pensando nisso, vamos apontar elementos que justificam investir em outsourcing de service desk. Acompanhe!

Redução de Custos

A contratação de funcionários para a montagem de uma equipe interna de TI gera um custo bastante elevado. Além disso, a companhia tem o risco de escolher profissionais que não estão devidamente gabaritados para suprir as demandas do público-alvo.

Também vale ressaltar que a terceirização dos serviços de TI evita que as PMEs tenham despesas relativas a softwares relacionados com a segurança da informação, o que contribui para administrar melhor o orçamento.

Mais segurança

Uma vantagem marcante de outsourcing de service desk abrange a possibilidade de adotar mecanismos mais eficientes para combater as tentativas de cibercriminosos de roubarem dados corporativos.

Um vazamento de informações de clientes causa sérios prejuízos, como a perda da credibilidade e a redução de vendas em alguns casos. Ter um ambiente mais seguro se torna uma tarefa bem mais viável ao contar com serviços especializados.

Atendimento ágil

À medida que uma empresa conta com um atendimento de alto qualidade em TI, maiores são as possibilidades de as demandas serem resolvidas de maneira rápida e com extrema eficiência. Essa é uma das razões que colaboram para o outsourcing de service desk ser uma alternativa cada vez mais atrativa para as PMEs.

Foco no core business

Em um cenário de elevada competitividade, as companhias não podem se dar ao luxo de perder tempo com o que não faz parte da carteira de serviços. Em outras palavras, é preciso ter foco no que realmente vai chamar a atenção do público-alvo para vender mais e fortalecer a presença no mercado.

Por isso, é positivo contar com um suporte de TI que permita ao empreendedor ter um olhar mais atento para elaborar estratégias de vendas e de melhoria contínua dos produtos e serviços disponibilizados.

Atendimento especializado

Ao apostar na terceirização de TI, uma empresa tem mais garantias de contar com um atendimento altamente especializado. Uma das vantagens é que as demandas receberão um tratamento mais específico e serão resolvidas com agilidade.

Para aproveitar, de forma plena, os benefícios do outsourcing de service desk, vale a pena conhecer os serviços realizados pela iamit, que atua com foco em oferecer aos clientes as soluções mais avançadas no segmento de Tecnologia da Informação.

Se está em busca de resultados mais expressivos, agente uma reunião conosco. Estamos à disposição para tirar todas as suas dúvidas sobre o nosso suporte de TI.

O que é Patch e por que as PMEs devem gerenciá-lo

Uma das maiores preocupações do mundo corporativo envolve a segurança da informação. Afinal, qualquer problema relacionado com o vazamento e o roubo de dados pode causar prejuízos financeiros e de imagem para uma empresa, independentemente do porte. Esse fator justifica o esforço de muitos empreendedores para entender o que é patch.

Atualmente, é inadmissível uma companhia optar por softwares desatualizados, ou seja, que não passaram por nenhum processo de correção. À medida que um sistema não é atualizado periodicamente, maiores são os riscos de invasão e de acessos indevidos. Isso é um aspecto que deve ser levado em consideração principalmente pelas PMEs.

Neste artigo, abordaremos diversos itens relacionados sobre a importância de patch para uma organização minimizar as possibilidades de ter problemas provocados por ataques virtuais. Confira!

O que é Patch?

Ao contrário do que muitos pensam, um patch não é realizado somente para corrigir um software. Esse recurso também serve para aperfeiçoar a usabilidade e a performance de um sistema. Dependendo do caso, é possível até modificar as regras de um game.

Resumindo, os patchs são capazes de realizar diversas mudanças em um software. Isso deve ser observado com bastante atenção pelos gestores de pequenas e médias empresas os responsáveis pelo departamento de TI.

É preciso não apenas acompanhar o calendário de atualizações, mas também verificar como elas estão impactando o funcionamento de um sistema. Mesmo que o patch tenha como finalidade corrigir problemas, é possível surgir imprevistos como ativar novamente um bug.

Em algumas situações, o patch pode prejudicar o desempenho de uma funcionalidade. Isso faz com que o software não tenha condições, por exemplo, de executar uma tarefa que era realizada anteriormente com facilidade.

Ao assimilar de maneira correta o que é patch, uma companhia está mais preparada para analisar como modificações em sistema podem trazer benefícios e eventuais problemas para o trabalho e o relacionamento com os clientes.

O ideal é que haja um planejamento para as atualizações e as correções de um software não prejudicarem a rotina da instituição. Também é recomendado contar apenas com sistemas licenciados. A medida é uma forma de garantir o suporte do fabricante, caso haja eventuais imprevistos relacionados com a atualização de uma ferramenta.

É importante destacar que o patch é uma alternativa ágil e econômica para a correção de sistemas. Ou seja, é uma iniciativa que contribui para as PMEs economizarem recursos financeiros ao investir em boas soluções de TI.

Nem sempre é possível investir em um novo software que, em alguns casos, pode conter mais funcionalidades do que uma corporação necessita. Ter isso em mente é crucial para a aplicação de recursos em Tecnologia da Informação ser estratégica e inteligente.

Qual é a importância do Patch para as empresas?

É muito bom ter uma noção sobre o que é patch, mas isso não é o suficiente para colocá-lo em prática nas empresas. Uma das razões é a necessidade de conhecer os perigos de não adotar esse procedimento de maneira adequada no seu negócio.

Vale lembrar que os hackers têm métodos cada vez mais sofisticados para invadir sistemas corporativos. Em outras palavras, eles são capazes de identificar falhas que, na maioria dos casos, não são percebidos pelos usuários.

À medida que um software apresenta um alto nível de vulnerabilidade, maiores são as chances de ser invadido por cibercriminosos. É uma situação bastante perigosa e que exige muita atenção principalmente no caso das PMEs.

Afinal, elas nem sempre contam com recursos avançados de segurança da informação. Por esse motivo, devem estar muito atentas ao uso de patches. Assim, há um risco menor de serem prejudicadas por hackers.

Com a transformação digital, muitas companhias estão investindo pesado em tecnologia. Embora a medida seja louvável por proporcionar mais produtividade e agilidade na relação com os consumidores, é necessário ter muito cuidado com os riscos.

Por falta de atualização em um sistema, uma companhia pode ser vítima de ransomware que consiste em um ataque virtual com sequestro de dados, responsável por impedir o acesso a sistemas corporativos.

Ficar horas ou até dias sem ter acesso a um software é algo muito ruim para qualquer empresa. Em um cenário de alta competitividade, ignorar a necessidade de patches em sistemas é um erro grosseiro e que deve ser evitado ao máximo.

Por isso, é válido ter um relacionamento próximo com o fornecedor de software para que o calendário de correções e atualizações seja acompanhado de maneira correta.

Muitos hackers aproveitam a necessidade de correção de bugs para tentar enganar as pessoas por meio de golpes, como o phishing scam. Esse fator mostra como boas práticas de segurança da informação são indispensáveis para as PMEs.

Por que as PMEs devem realizar o gerenciamento de Patches? 

Entender o que é patch é um passo importante para uma empresa estar mais segura. Por outro lado, é relevante fazer uma gestão adequada desse recurso. Isso porque contar com sistemas atualizados proporciona uma série de benefícios, como:

  • Verificar os softwares com vulnerabilidades mais rapidamente;
  • Corrigir com mais precisão eventuais falhas nos sistemas;
  • Reduzir o risco e o impacto de ataques virtuais;
  • Facilitar o controle e o gerenciamento das atualizações nos programas usados pela empresa;
  • Ter mais conhecimento sobre onde os patches estão sendo aplicados;
  • Escolher o momento ideal para as atualizações, para afetar o rendimento corporativo o mínimo possível.

Para obter essas vantagens, um empreendedor deve reconhecer que a gestão de patches precisa ser feita dentro das melhores práticas. Afinal, envolve uma série de decisões que impactam a produtividade.

Não basta contar com o software mais atualizado, pois o mais relevante é avaliar qual a versão é a mais adequada no momento, considerando as necessidades da companhia. Essa ação deve ser feita com bastante bom senso, pois precisa levar em conta a segurança da informação.

É vital compreender o que é patch e ter em mente como aplicar esse recurso de forma correta. Uma decisão equivocada sobre o uso dessa prática pode causar sérios problemas para uma empresa, como paralisação das atividades em virtude de ataque virtual, além da perda de dinheiro e clientes.

Se está em busca de mais informações sobre como administrar patches, entre em contato com a equipe da iamit. Estamos à disposição para ajudar o seu negócio a ser mais eficiente e seguro!

Microsoft Azure e segurança em cloud computing: entenda essa relação

A sua empresa conta com uma plataforma de serviços na nuvem e se preocupa com seus recursos de segurança em cloud computing? Essa é uma característica estratégica essencial de organizações que buscam se destacar da concorrência.

As mudanças tecnológicas, aliadas às recentes situações sociais extremas, como a pandemia, causaram um abalo na estrutura corporativa do mundo todo.

Se por um lado era necessário se manter tecnologicamente competitivo, por outro foi preciso se ajustar às transformações sociais.

Tudo isso fez crescer o uso de plataformas, como o Microsoft Azure, e ressaltar temas vitais, como a segurança em cloud computing.

No entanto, essa preocupação deve vir antes de tomar qualquer decisão de negócio. Ou seja, antes de adotar todo uma estrutura de soluções multi-cloud.

É preciso um olhar afiado para as opções do mercado, buscando afunilar as alternativas e escolher àquela que melhor sirva às demandas do seu negócio.

E isso não é uma mera afirmação:

De acordo com o estudo The State of Cloud Security 2020, da Sophos, organizações que apostam no multi-cloud reportam mais problemas de segurança que àquelas que centralizam suas operações em uma única plataforma.

É por isso que plataforma consolidadas, como o Microsoft Azure, são destaque no tema.

Além disso, são as opções mais seguras para quem busca uma infraestrutura na nuvem escalável e repleta de recursos.

Que tal entender mais sobre a relação do PaaS da Microsoft com a segurança em cloud computing, e como pode ajudar o seu negócio nos desafios do dia a dia? 

Continue a leitura!

Segurança em cloud computing: uma necessidade

Que a segurança em cloud computing é um dos pilares estratégicos de negócios bem-sucedidos, você já sabe. No entanto, nunca é demais ressaltar sua importância.

Hoje, a utilização de infraestruturas baseadas na nuvem é quase unânime. Soluções novas surgem a cada dia, ampliando o leque de soluções disponíveis.

Para as empresas, como a sua, é um prato cheio no que diz respeito à inovação.

No entanto, cada nova solução é também uma brecha em potencial. E isso é algo que acontece para a maioria das plataformas.

O problema é que as ciberameaças estão de olho nessas brechas.

E sem mecanismos de proteção adequados, atualizados e competentes, seu negócio certamente irá sofrer.

Problemas simples, como a falta de configuração de seus serviços cloud, podem ser o suficiente para sentir esse impacto.

Ainda de acordo com o The State of Cloud Security 2020, 60% das empresas registraram ataques provenientes dessas simples brechas.

É por isso que a escolha pela melhor plataforma é uma decisão tão importante.

Os dados que circulam pela sua infraestrutura na nuvem, em geral, compõem todos os níveis de importância estratégica. Vazamentos, invasões e sequestros desses ativos podem, portanto, ocasionar danos irreversíveis.

É por isso que empresas que querem se garantir, assegurando a segurança em cloud computing, estão optando pelo Microsoft Azure.

O que é o Microsoft Azure?

O Microsoft Azure é uma plataforma de serviços na nuvem, que também possui recursos de infraestrutura e aplicativos.

Trata-se de uma solução completa, ampla e que compõe a estrutura na nuvem das empresas, de fim a fim. Claro, ainda é uma plataforma personalizável: você pode adotá-la conforme suas necessidades, sob medida para o que precisa.

Porém, o Microsoft Azure conta com serviço de dados integrados, soluções de análise avançada e ferramentas para desenvolvedores.

Tudo hospedado nos data centers da própria Microsoft, uma das maiores empresas de tecnologia do mundo. Mas também pode ser instalado nos data centers do cliente, conforme for melhor.

O Azure é uma solução completa pois se encaixa em diversos cenários:

Dos mais simples, que exigem apenas computação básica, rede e armazenamento, aplicativos Web e móveis.

E mesmo em situações mais complexas, em cenários de alto risco, como enormes ecossistemas de cloud computing, que devem suportar soluções de IoT, por exemplo.

Qual a relação do Microsoft Azure com a segurança em cloud computing?

Com o Microsoft Azure, sua empresa possui acesso à tecnologia cloud na forma de blocos de construção.  Assim, é possível escalar rapidamente sua operação, contribuindo para a inovação e economia de custos.

Dessa forma, sua TI é capaz de gerenciar os sistemas de forma aprofundada e proativa.

Tudo isso proporciona um altíssimo nível de segurança em cloud computing para seus ativos migrados — dados, aplicativos, serviços e produtos.

Há serviços próprios do Azure que complementam essa gestão de dados da nuvem, blindando-os. Um deles é a Central de Segurança do Azure.

O sistema de gerenciamento de segurança de infraestrutura unificado protege sua infraestrutura de ponta a ponta, atuando nos seguintes desafios:

  • Habilidades de segurança escassas.
  • Ataques cada vez mais sofisticados;
  • Cargas de trabalho que mudam rapidamente;

A Central também pode atuar em ambientes híbridos, de forma que integra facilmente soluções de parceiros no Microsoft Azure.

Mas como, na prática, o Microsoft Azure assegura a segurança em cloud computing nessas situações?

  • Fortalecendo a postura de segurança de forma autônoma, lhe informando um status de cada um dos recursos.
  • Protegendo contra ameaças, avaliando os workloads, alertando contra ameaças e sugerindo ações de prevenção.
  • Proporcionando segurança de forma mais ágil, “na velocidade da nuvem”, com provisionamento automático com serviços da plataforma.

iamit: especialista em Microsoft Azure e parceira da sua estratégia de segurança na nuvem

A escolha do provedor de nuvem não é simplesmente escolher um fornecedor. É uma decisão estratégica de negócio, que deve ser analisada com base em critérios técnicos.

E é por isso que o Microsoft Azure é um dos preferidos das principais empresas do mundo — e o motivo pelo qual a iamit trabalha com a plataforma.

Não à toa, mais de 66% das empresas da Fortune 500 confiam no Azure.

A plataforma assegura tamanho nível de serviço através de SLAs de ponta, que garantem suporte técnico 24×7 e monitoramento 24 horas.

É a solução mais completa e preparada para servir de pilar para sua infraestrutura na nuvem, contribuindo diretamente para a segurança em cloud computing.

Que tal dar um passo além e contar com o Microsoft Azure no seu negócio? Converse com a iamit!

A importância de realizar o gerenciamento de dispositivos móveis (MDM) na sua empresa

Com a transformação digital mais presente na vida de pessoas e de corporações, uma empresa deve fazer o gerenciamento de dispositivos móveis de forma inteligente. Afinal, o uso de smartphone, tablets e de outros recursos tecnológicos é fundamental para aumentar a produtividade e ter uma comunicação mais eficiente com o seu público-alvo. 

Além disso, a gestão de ferramentas tecnológicas é muito importante para minimizar os riscos de problemas relacionados com a segurança da informação. Qualquer vazamento de dados pode comprometer, de forma significativa, a reputação de uma empresa, além de provocar prejuízos financeiros. 

Neste artigo, vamos apresentar fatores que precisam ser levados em consideração para administrar os dispositivos móveis de maneira correta, o que é crucial para a competitividade e a busca por um desempenho notável. Confira! 

Gerenciamento de dispositivos móveis (MDM): o que é? 

É um procedimento que envolve qualquer recurso ou software. Através dele, os gestores do setor de TI são capazes de controlar e proteger dispositivos móveis de toda a empresa contra ameaças virtuais. 

Sem dúvida, é uma iniciativa muito importante para as organizações no contexto atual, pois o cibercrime está cada vez mais sofisticado, exigindo um grande esforço para manter o ambiente corporativo seguro.   

Também vale destacar que o gerenciamento de dispositivos móveis tem um papel crucial para as companhias adotarem a famosa prática “Bring Your Own Device”, que se caracteriza por permitir que os funcionários acessem informações, arquivos e sistemas empresariais através de seus dispositivos móveis pessoais. 

Com a expansão do home office, essa prática se tornou ainda mais presente no mundo corporativo, pois foi uma solução rápida para as empresas manterem as atividades e reduzirem os riscos de os empregados serem contaminados pelo novo Coronavírus (Covid-19). 

Como funciona o Gerenciamento de dispositivos móveis (MDM) 

Para o gerenciamento de dispositivos móveis ser colocado em prática é imprescindível contar com dois elementos. Um deles é o servidor MDM, que fica hospedado em um Data Center e deve seguir boas práticas de segurança da informação. O outro é o agente de MDM, localizado em um dispositivo móvel.

Ao fazer a configuração de um tablet, smartphone ou notebook na rede de uma companhia, o administrador de TI deve considerar todas as práticas de segurança para o gerenciamento do servidor de MDM ser efetivado da melhor forma possível. 

Isso é necessário pois o servidor encaminha os dados para o agente de MDM, responsável por aplicar a política de dados da empresa para o dispositivo móvel por APIs internas. Além disso, as gerências de TI podem utilizar essa conexão entre o agente e o servidor de MDM para aperfeiçoar o controle dos aplicativos nos equipamentos gerenciados. 

Os benefícios do Gerenciamento de dispositivos móveis para a sua empresa 

A gestão de dispositivos móveis proporciona vantagens consideráveis que merecem ser analisadas com atenção pelos gestores de TI. Hoje, as empresas necessitam de mobilidade para suprir as demandas e aumentar o nível de competitividade. 

Para você entender melhor a importância de administrar equipamentos móveis de forma estratégica, vamos destacar os principais benefícios dessa atividade. Acompanhe!   

Controle de acessos 

A utilização de um software para fazer a gestão do dispositivo móvel é fundamental para controlar as informações acessadas. Para isso ser concretizado, deve haver a gestão das configurações de forma remota, o que ajuda a administrar o inventário.

Essa medida garante mais segurança, fazendo com que todos os dispositivos instalados tenham os aplicativos ideais para a execução dos serviços com eficiência e agilidade. Por exemplo, imagine um restaurante no qual os garçons registram os pedidos dos clientes e encaminham para uma cozinha por meio de um app. 

Nesse caso, é fundamental que todos os colaboradores tenham o aplicativo na mesma versão, para que haja um controle efetivo das informações e um menor risco de eventuais erros de comunicação entre os setores. 

Outro aspecto marcante é que o gerenciamento de software pode ser adotado para fazer a distribuição das redes wireless com eficiência, fator primordial para facilitar a instalação de aplicativos em uma empresa e dar mais dinamismo aos funcionários. 

 Mais controle na segurança de dados 

Uma grande vantagem do gerenciamento de dispositivos móveis consiste no elevado nível de segurança das informações. Afinal, essa ação permite que os dados corporativos sejam protegidos com a adoção de políticas relacionadas com o fabricante do equipamento ou provedor da plataforma. 

Por meio dessas políticas, os gestores de TI conseguem proteger, controlar e desconectar aparelhos móveis nas redes corporativas. Um exemplo disso é o fato de o MDM propiciar ao departamento de TI criptografar os dispositivos de forma automática, bloqueando ou apagando um equipamento nos casos de perda ou roubo. 

Processos otimizados 

Ao investir em um software para o gerenciamento de dispositivos móveis, uma empresa tem mais condições de padronizar as versões dos aplicativos. Dessa maneira, pode executar os processos com mais facilidade e com menos riscos de erro. 

À medida que uma companhia executa os serviços dentro das melhores práticas do mercado, maiores são as chances de reduzir custos, conquistar clientes e expandir os lucros. 

Gerenciamento remoto 

Essa ação tem como principal característica simplificar a gestão de dispositivos móveis. Assim, os administradores de TI terão mais facilidade para efetivar a implantação, a configuração e a atualização dos aplicativos móveis em equipamentos da companhia ou de uso pessoal dos empregados.

O inventário, o rastreamento dos equipamentos móveis, a imposição de senha, a lista de permissões e a lista negra de aplicativos são mais recursos que integram o MDM. 

Por que a sua empresa deve adotar essa solução? 

O avanço tecnológico e o nível de competição no mundo corporativo obrigam as empresas a apostar na mobilidade para conseguir um desempenho acima da média. 

Por isso, é muito importante que elas contem com recursos que permitam fazer o gerenciamento de dispositivos móveis de maneira estratégica, o que contribui não apenas para elevar a produtividade da equipe, mas também para garantir um elevado nível de segurança da informação. 

 

Uma maneira de buscar uma solução corporativa voltada para a gestão de dispositivos móveis é analisar as opções disponíveis no mercado, como a desenvolvida pela iamit.

 Se deseja conhecer mais a respeito dessa solução, entre em contato conosco agora mesmo. Estamos à disposição para ajudar o seu negócio a usar a tecnologia com inteligência!

 

Proteção de Dados: Como o Microsoft EMS e o Azure Information Protection auxiliam na questão da LGPD

A segurança da Informação é presença obrigatória no planejamento estratégico das empresas de hoje. E isso é muito por conta de um ponto em comum entre elas: a proteção de dados. Organizações de todo mundo, incluindo a sua, sabem do peso desse ativo. Portanto, encontrar formas de blindá-la é uma obrigação para negócios modernos que vai além do ambiente controlado do escritório.

Por isso, conhecer soluções como o Microsoft EMS e o Azure Information Protection é uma bela pedida.

Afinal, há incontáveis soluções que promovem a proteção de dados por aí. No entanto, como saber se são, de fato, as melhores? No caso do Microsoft EMS e do Azure Information Protection, uma certeza você tem: a chancela de uma das principais empresas de tecnologia corporativa do mundo inteiro.

Para muitos, esse já é argumento suficiente para confiar. No entanto, queremos aprofundar essa conversa e trazer, em detalhes, as características e benefícios de ambas as ferramentas.

E então, preparado? Continue a leitura para entender como promover a melhor proteção de dados ao seu negócio, potencializando sua produtividade e mitigando riscos!

Microsoft Enterprise Mobility + Security (EMS): Conheça mais dessa ferramenta

Parte do Microsoft 365, suíte de aplicativos para produtividade, o Microsoft Enterprise Mobility + Security (EMS) é uma plataforma própria para gestão de segurança e de mobilidade corporativa inteligente.

Ele auxilia na manutenção da proteção de dados da sua empresa, enquanto garante que ela seja produtiva em qualquer lugar — possibilitando cada vez mais um trabalho inovador e flexível.

O Microsoft EMS fortalece as amarras de segurança da empresa, preocupando-se inclusive com as menores brechas. Entre suas atribuições, destacam-se:

Gerenciamento de acesso e identidade

A relação entre pessoas, seus dispositivos, aplicativos e os dados trafegados nunca foi tão intensa. O Microsoft EMS garante a segurança dessas conexões, oferecendo mais flexibilidade e produtividade.

Proteção de informações

Dados são realmente valiosos — e o Microsoft EMS sabe disso. Por isso, a ferramenta é capaz de protegê-los em qualquer lugar e dispositivo. Controle total, abrangente e integrado para reforçar sua proteção de dados.

Proteção contra ameaças

Quanto mais a tecnologia avança, mais inteligentes e prejudiciais ficam as ameaças. Por isso, o Microsoft EMS está preparado para detectar e investigar quaisquer ações mal-intencionadas e arquivos maliciosos que possam oferecer riscos aos seus ambientes locais e na nuvem.

Segurança na nuvem

A computação na nuvem é a base das infraestruturas de TI atuais. Por isso, o Microsoft EMS oferece inteligência contra ameaças que podem desestabilizar os ambientes cloud, mantendo sua operação estável.

Recursos do Microsoft EMS que potencializam a Proteção de Dados

O Microsoft EMS é uma solução completa. Seu objetivo é servir de blindagem ao seu ambiente corporativo operacional e estratégico. Por isso, atua de ponta a ponta, trazendo soluções como:

  • Azure Active Directory: gerenciamento de acesso e identidade, conectando as pessoas de forma segura aos aplicativos utilizados.
  • Microsoft Endpoint Configuration Manager: gerenciamento na nuvem de sistemas inteiros, como PCs, servidores e dispositivos.
  • Microsoft Intune: gerenciamento de acesso e proteção de dados, bem como dispositivos na nuvem.
  • Proteção de Informações do Azure: mapeamento, classificação e criptografia de dados na nuvem.
  • Microsoft Cloud App Security: agente de segurança completo contra ameaças à nuvem.
  • Microsoft Advanced Threat Analytics: ferramenta de proteção de dados contra ameaças avançadas.
  • Proteção Avançada contra Ameaças do Azure: solução específica para blindagem de identidades e informações de sua organização.
  • Microsoft Secure Score: ferramenta de insights inteligentes que melhoram suas práticas de segurança.

Entenda tudo sobre o Azure Information Protection 

O Azure Information Protection é uma solução própria do Azure, plataforma de serviços em nuvem também da Microsoft e uma das mais importantes e utilizadas no mundo. O AIP, como é conhecido, é uma solução cloud que possibilita a proteção de dados por meio de classificação e rotulação.

Entre os dados que cobre, destacam-se e-mails, documentos e dados confidenciais de qualquer tipo — e que são compartilhados internamente e externamente.

O AIP, portanto, possibilita a classificação desses dados, de forma a conceder rótulos e permissões específicas para cada um deles, aprimorando seu nível de segurança. Tudo isso de forma abrangente: não importando onde estejam ou com quem são compartilhados.

Recursos que o AIP oferece à proteção de dados 

Entre os recursos e benefícios do AIP, destacam-se:

  • Classificação de dados por meio de nível de confidencialidade: desenvolva e configure políticas de segurança para rotular e proteger os dados. Uma vez feita, a classificação é automática, agilizando as operações e possibilitando uma segurança instantânea.
  • Proteção de dados 24x7x365: configure uma verdadeira blindagem para dados confidenciais, com uma camada de segurança permanente.
  • Visibilidade e controle: tenha em mãos tudo que envolve os dados compartilhados para criar relatórios aprofundados, inclusive com a opção de revogar permissões e acessos.
  • Colaboração 100% segura: compartilhamento seguro de informações com clientes, parceiros e colegas de trabalho, classificando o nível de acesso/edição de cada um.

Proteção de Dados: como o Microsoft EMS e o Azure Information Protection auxiliam a sua empresa a se adequar à LGPD

A proteção de dados é uma questão urgente. Explicamos: se não fosse a situação da pandemia do Coronavírus, a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) já estaria em vigor. Com o momento atual, ela foi postergada para maio de 2021. Ainda assim, pare e pense: sua empresa estaria dentro dos conformes?

Os meses restantes serão decisivos para essa virada de cenário.

Um de seus pilares, e não por menos está no próprio nome, é a Proteção de Dados. Ou seja, sua coleta, armazenamento, utilização e compartilhamento. Sua empresa, atualmente, possui políticas bem definidas no sentido de regularizar essas ações?

Além disso, possui as ferramentas necessárias para tal?

Com a ajuda da iamit, que pode guiar seu negócio na implementação do Azure Information Protection e Microsoft EMS, esse processo pode ser agilizado.

Muito além de blindar seus dados e regularizar sua situação de antemão perante a futura lei, sua organização se coloca na crista da onda da transformação.

 

Enquanto uma solução, o Microsoft EMS, possibilita um gerenciamento inteligente dos recursos e dispositivos da sua empresa em relação à segurança, o AIP fortalece suas barreiras de proteção referentes aos principais dados da organização, constantemente compartilhados e que podem ser o pavio de um desastre de segurança.

A iamit conta com 21 anos de experiência no mercado e é especialista em todas as soluções de TI das suítes da Microsoft. Além disso, é referência na implantação de produtos para gestão de ativos e data center, gestão de TI e de ambientes de missão crítica. 

Converse conosco e entenda como, juntos, podemos revolucionar as bases e diretrizes de proteção de dados da sua empresa!

LGPD: Como o SharePoint e o Azure Information Protection auxiliam no Compliance da sua empresa

E se hoje a sua empresa sofresse um ataque cibernético? E se os dados sensíveis ao negócio fossem sequestrados? Ou, ainda, e se algum vírus ou arquivo malicioso invadisse os seus servidores? Além do impacto operacional e estratégico, falamos de um prejuízo direto à imagem do negócio. Porém, mais importante, são situações que não podem acontecer no ambiente corporativo — não com a LGPD em vigor. Por isso, o SharePoint e o Azure Information Protection são as melhores alternativas para sua empresa.

Afinal, se o assunto é Segurança da Informação, o pensamento deve ir além do óbvio. Assim, é claro que precisamos adotar soluções que verdadeiramente protejam seus ativos digitais.

No entanto, é necessário escolher àquelas que se encaixem no dia a dia produtivo da empresa.

Soluções que não sejam apenas um “algo a mais”, mas um complemento à Infraestrutura de TI, ao ambiente de dados e à produtividade da equipe.

Ou seja, àquelas que realmente auxiliem no seu compliance à LGPD, além de representar uma série de novas possibilidades para seu negócio.

E esse é o caso das soluções SharePoint e Azure Information Protection.

Que tal entender mais sobre ambas e como podem auxiliar no compliance da sua empresa em relação a LGPD? Então continue a leitura para aprender mais!

LGPD e a necessidade de adequação

A LGPD, Lei Geral de Proteção de Dados, foi um movimento do governo em resposta aos crescentes casos de vazamento de dados em empresas. Há casos emblemáticos por aí, como o da relação entre a empresa Cambridge Analytica e Facebook.

A nova lei é um passo bastante firme do Brasil, seguindo por exemplo medidas já adotadas na União Europeia com a sua própria lei de dados, a GDPR.

Trata-se, portanto, de uma série de novas normas e regras que delimitam a relação de empresas com dados pessoais. Seja na sua coleta, armazenamento, tratamento e compartilhamento.

Com a LGPD, o titular dos dados possui completa autoridade sobre eles, podendo solicitar à empresa sempre que quiser visualizá-los e mesmo excluí-los por completo.

Às empresas, significa também que toda coleta deve ser consentida e autorizada, com objetivos da coleta bem descritos, bem como como se dará o uso daqueles dados.

Em geral, a LGPD vai impactar muito a relação das empresas com os dados.

Por isso, cabe às empresas se adequarem o mais rápido possível. Isso porque, com a situação da pandemia do Covid-19, a data para a LGPD entrar em vigor foi adiada. Agora, se dará em agosto de 2021.

Portanto, sem dúvidas é hora de os gestores olharem para o mercado em busca de soluções. Entre suas maiores preocupações, naturalmente está a capacidade de cumprir com tamanho compliance.

Afinal, com a LGPD, a Segurança da Informação se tornou definitivamente uma obrigação nas empresas.

O SharePoint e Azure Information Protection: como a integração dessas duas ferramentas pode auxiliá-lo em relação à LGPD

Nesse momento, a preocupação dos gestores é em encontrar um conjunto de soluções complementares à Segurança da Informação do negócio. Algo que seja encaixado no ecossistema de dados da empresa e agregue a ele, fortalecendo as barreiras contra ameaças.

E é difícil encontrar isso tudo em uma única solução.

Por isso, os olhos se voltam ao potencial da união do SharePoint com o Azure Information Protection.

O que é o SharePoint?

O SharePoint é uma suíte de soluções da Microsoft, utilizada para armazenar, organizar, acessar e compartilhar dados e informações de forma segura, de qualquer dispositivo, a partir do navegador Web.

Em geral, é utilizado para criação de intranets e portais corporativos. Porém, entre suas funcionalidades, permite realizar gestão de documentos, de conteúdos, além da criação de portais colaborativos.

Dessa forma, a suíte abrangente pode suportar todas as necessidades web das empresas. Além das possibilidades de desenvolvimento e criação dentro dela, é possível aproveitar seus recursos em áreas como Business Intelligence, além de integração de processos e sistemas (até mesmo de terceiros).

O que é o Azure Information Protection?

Já o Azure Information Protection faz justamente esse “meio de campo” tão necessário em interações web, como envio de e-mails, por exemplo. Trata-se de uma solução na nuvem, que possibilita a proteção de dados como documentos e informações confidenciais compartilhadas, interna ou externamente.

É parte do Azure, plataforma de serviços cloud da Microsoft, uma das melhores escolhas das empresas que optam por dar um passo além e apostar no modelo PaaS.

O Azure Information Protection atua por meio de rotulação e classificação de dados específicos, concedendo assim permissões que criam camadas de proteção. Assim, não importa de onde ou por quem a informação é acessada, ela estará protegida.

Além disso, é possível controlar e monitorar cada conteúdo, entendendo comportamentos e usos.

A integração de ambas ferramentas: como elas auxiliam as empresas na questão da LGPD

O SharePoint estabelece uma base para sua empresa operar na web, criando sites e portais intranet específicos para as necessidades do seu negócio. Afinal, as interações online são uma parte importante da produtividade atual: com uma ferramenta própria para criar essa infraestrutura, você tem controle total dos processos.

Porém, é claro que a web é uma via de mão dupla. Há sempre espaço para ameaças.

É aí que a integração com o Azure Information Protection entra.

A ferramenta de proteção à informação da Microsoft complementa o SharePoint em vários níveis. Ele fecha as brechas que ameaças cibernéticas poderiam encontrar em, por exemplo, uma troca de e-mails com links maliciosos.

Assim, agindo nos pequenos detalhes, a união entre o SharePoint e o Azure Information Protection pode ser a sua resposta às mais rígidas regras impostas pela LGPD. 

Proteção total aos dados e uma base para que sua equipe continue (e seja até mais) produtiva!

Conte com a iamit para se preparar para LGPD

A iamit sabe da importância da LGPD para o futuro dos negócios. Por isso, vem há anos se qualificando cada vez mais na implementação, suporte e assessoria de ferramentas de Segurança da Informação. Entre elas, o SharePoint e a Azure Information Protection.

 

Todavia, a padronização de processos é necessária para manter um fluxo das atividades e aumentar o desempenho das equipes.

Essa especialidade possibilita que a iamit identifique as brechas no seu negócio e na forma como ele se localiza na web, sugerindo ações imediatas para resolvê-las.

É assim que a implementação do SharePoint e do Azure Information Protection pode ser feita. Ou seja, um primeiro passo promissor na busca pelo compliance que a LGPD exige.

Quer entender mais sobre as soluções que a iamit é especialista, como o SharePoint e Azure Information Protection, e compreender como podemos ajudar seu negócio? Converse com nossos especialistas

O que é governança de TI e como essa solução auxilia as PMEs

Quando falamos em governança de TI, não estamos nos referindo apenas a um setor específico dentro de uma organização. Afinal, em um mundo cada vez mais dominado por tecnologias, a gestão de pequenas e médias empresas depende cada vez mais de inovação e investimentos na área. 

Desse modo, a Tecnologia da Informação exerce um papel fundamental a partir das possibilidades que ela promove. Nesse sentido, vale dizer que a governança de TI é essencial para o sucesso de qualquer negócio, seja ele grande ou pequeno.

Esse conjunto de práticas orienta a tomada de decisão e atua como forma de gerir os processos de gestão (podemos chamar, assim, de “gestão da gestão”), com foco em objetivos e metas da empresa como um todo. 

Para um CIO, o conceito de governança corporativa deve prevalecer, pois é através dele que se estabelecem padrões, práticas e relações entre os diferentes níveis hierárquicos. Mesmo nas PMEs, é importante delimitar ações estratégicas em diferentes setores organizacionais – financeiro, comercial, marketing, RH e produção.

Confira a seguir de que forma a governança de TI pode auxiliar sua empresa e ser uma solução eficaz para o melhor desempenho dos negócios.

Governança de TI: o que é?

Podemos definir governança de TI como a área que rege a tecnologia da informação, controlando ações e resultados para que estejam alinhados com o objetivo da empresa. 

Para isso, é fundamental que as diretrizes da TI sejam seguidas, alinhando processos em todos os departamentos. Tais diretrizes, por sua vez, devem atuar como um braço das diretrizes corporativas.

De modo mais objetivo, a governança de TI significa liderar todas as áreas nas quais a tecnologia da informação atua, de modo a garantir que as estratégias e objetivos do negócio se sustentem.

Por se tratar de um desdobramento da governança corporativa – e que não está necessariamente sujeito a ela – pode ser considerada um mecanismo que estabelece regras e controle envolvendo a TI. 

Desse modo, é possível monitorar o cumprimento das normas, direcionando para um alinhamento estratégico que, entre outras coisas, diminui os riscos aos quais o negócio está exposto.

Governança de TI x Gestão de TI

Apesar de a governança de TI estar diretamente ligada à gestão da tecnologia, há algumas diferenças significativas entre elas. Vejamos alguns pontos sobre governança e gestão de TI que as diferem:

Governança de TI 

  • direciona os processos;
  • monitora o cumprimento das regras.

Gestão de TI

  • mantém o desempenho dos serviços;
  • realiza a gestão da equipe;
  • atua na transformação digital;
  • trabalha para a satisfação dos usuários.

 

Ou seja, na gestão de TI encontramos um trabalho mais técnico, voltado à execução e desempenho de tarefas, equipe e resultados. Enquanto na governança, há o sentido de governar, dirigir os processos que envolvem a tecnologia da informação dentro da empresa.

Como a Governança de TI auxilia as PMEs

Do mesmo modo que nas grandes corporações, a governança de TI pode transformar os negócios dentro de uma pequena ou média empresa. A partir da implantação de mecanismos que assegurem um controle mais abrangente dos processos, é possível estruturar os diversos setores, garantir que as legislações sejam respeitadas e, assim, dar mais segurança ao negócio.

Nesse sentido, investir em projetos de TI permite a evolução do negócio. Para as PMEs, isso significa maior competitividade e ganho de mercado. Em mundo no qual a tecnologia é cada vez mais predominante, não há como ignorar que a governança de TI precisa ser vista como um dos alicerces da empresa.  

Confira de que modo essa ferramenta pode auxiliar o desenvolvimento das PMEs:

Riscos reduzidos

Um dos principais pontos de contribuição para uma pequena ou média empresa que adota a governança de TI é a possibilidade de mitigar os riscos inerentes ao negócio.

Num mercado cada vez mais competitivo em todas as esferas, obter um controle das vulnerabilidades significa trabalhar na prevenção de erros e falhas que podem comprometer o andamento dos trabalhos.

Assim, a gestão dos riscos a partir da governança de TI permite que a segurança de dados seja constantemente avaliada. Somente dessa forma é possível mapear a criticidade dos processos e elaborar um plano de contingência e recuperação mais eficiente.

Mais segurança das informações

Quando falamos em tecnologia da informação, automaticamente vem à tona a questão da segurança. Um grande volume de dados gerado por uma empresa exige um nível elevado de infraestrutura, com aplicações e ferramentas que proporcionem um controle total das operações.

E a governança de TI atua justamente no topo da gestão, fazendo com que as tecnologias sejam cuidadosamente gerenciadas e trabalhando em projetos de investimento em ferramentas de segurança.

Otimização de custos

Seja qual for o setor de atuação da empresa, o controle dos custos é fundamental, especialmente quando se trata de PMEs. Geralmente, empresas de menor porte trabalham com menor margem de lucro e precisam otimizar os custos da operação.

Através da governança de TI é possível avaliar os recursos de tecnologia disponíveis e antever as necessidades da empresa a curto, médio e longo prazo. Portanto, governar a TI também significa promover o uso consciente dos recursos.

Melhor aproveitamento tecnológico

Se pensarmos a governança de TI dentro da empresa como a governança de uma cidade, fica claro entender o seu papel na melhoria da gestão. Quando citamos o aproveitamento de recursos e a otimização dos custos, também estamos falando em aproveitamento tecnológico. 

Portanto, o papel do CIO é compreender a tecnologia da informação de maneira mais abrangente e saber direcionar as tecnologias para os pontos nos quais elas são melhores aplicadas e capazes de gerar mais resultado.

Maior competitividade para a empresa

Um dos benefícios da governança de TI para PMEs está no aumento da competitividade. Pois ao assegurar menor risco e, consequentemente, maior segurança, automaticamente o negócio passa a ser visto como mais organizado.

Esse alinhamento de estratégias que a governança de TI permite demonstra a maturidade da empresa, independente do seu porte. É o sinal de que existe uma preocupação com os resultados e que os objetivos estão alinhados entre os setores e equipes.

Além disso, a otimização dos processos cria oportunidades de investimento, pois também promove a redução de custos operacionais, permitindo o redirecionamento dos recursos e o impulsionamento do negócio.

Como aplicar a Governança de TI na sua empresa

Apesar de não ser tão complexo quanto se imagina, o processo de implantação da governança de TI exige empenho e um certo tempo de espera. Isso porque à medida que vão sendo executadas, as ações constroem e aperfeiçoam os processos de gestão dentro da empresa.

Para começar, é preciso definir um plano estratégico de TI inspirado em boas práticas de governança, que pode ser construído com base em dois pilares:

  1. planejamento de estratégias voltadas ao crescimento do negócio;
  2. execução de ações práticas voltadas à continuidade do negócio.

A partir da daí, a gestão de TI atuará no gerenciamento dos projetos. E a governança será responsável por garantir que essa gestão percorra o caminho certo até alcançar os objetivos e metas traçados.

 

Todavia, a padronização de processos é necessária para manter um fluxo das atividades e aumentar o desempenho das equipes.

Para auxiliar e agilizar a implantação da governança de TI numa pequena ou média empresa, a utilização de frameworks, que são modelos que podem indicar as melhores práticas de acordo com as especificidades do negócio, permitem que o processo ocorra de modo mais assertivo.  

Gostou do conteúdo? Então entre em contato conosco e agende uma reunião para saber como nossas soluções podem auxiliar sua empresa!

 

Suporte técnico de TI para PMEs: o que você precisa saber

As empresas de pequeno e médio porte nem sempre têm condições de contar com uma equipe interna especializada em Tecnologia da Informação. Esse é um dos fatores que contribui para a necessidade de investir em um suporte técnico de TI.

A terceirização desses serviços é uma alternativa interessante para as companhias que não dispõem de recursos financeiros para fazer investimentos pesados em equipamentos e profissionais de Tecnologia da Informação de alto nível.

Neste artigo, apresentaremos diversos detalhes sobre como o suporte técnico pode agregar valor ao seu negócio. Confira!

Suporte técnico de TI: como funciona

No segmento de Tecnologia da Informação, o suporte técnico também é chamado de Help Desk e Service Desk. Essas terminologias apresentam particularidades que precisam ser levadas em consideração na hora de contratar os serviços.

O Help Desk se caracteriza pelo atendimento ao cliente ficar centralizado em apenas uma plataforma. Nesse caso, o foco é resolver demandas mais simples, como dificuldade de instalar um software ou recuperar a senha do e-mail corporativo.

É um modelo de serviço que atua como “primeiro nível de atendimento”. Já o Service Desk consiste no “segundo nível de atendimento”, porque envolve situações com maior grau de complexidade.

Ele ainda se destaca por disponibilizar um auxílio estratégico aos clientes, o que pode ser considerada uma evolução no suporte técnico de TI. Por isso, os analistas de Service Desk necessitam ter um grande conhecimento na área de Tecnologia da Informação.

Também é válido destacar que tanto o Help Desk quanto o Service Desk podem realizar atendimentos de maneira remota. Contudo, isso somente pode ser efetivado em problemas que não exigem a presença de um profissional próximo ao cliente.

Demandas

Há várias ações que podem ser feitas pelo suporte técnico de TI. Os profissionais são responsáveis por uma série de atividades, por exemplo:

  •         Executar medidas de prevenção contra invasões lógicas ou físicas aos equipamentos de TI;
  •         Ficar responsável pela segurança das informações corporativas;
  •         Fazer a manutenção das redes de computadores e projetá-las;
  •         Participar da elaboração das políticas de segurança;
  •         Promover a instalação, configuração e a atualização de antivírus e antispywares;
  •         Realizar a instalação e a manutenção dos sistemas operacionais adotados;
  •         Efetivar a configuração das contas de correio eletrônico;
  •         Ser responsável pela criação de Redes Virtuais Privadas (VPN´s);
  •         Possibilitar o provimento de sistemas de mídia digital, que permitem a realização de videoconferências;
  •         Fazer a instalação e a manutenção de sistemas de banco de dados;
  •         Prestar atendimento aos funcionários da organização.

Para ser devidamente executado, um suporte técnico de TI exige que os profissionais tenham uma boa qualificação e estejam disponíveis para adquirir novos conhecimentos, com foco na melhoria da contínua dos serviços.

Conheça os benefícios do suporte técnico de TI para as PMEs

Há diversas vantagens de contar com um atendimento especializado na área de Tecnologia da Informação. Com a intenção de ajudá-lo a visualizar esses benefícios, vamos mostrá-los de maneira detalhada. Acompanhe!

Foco no negócio da empresa

Perder horas para avaliar um problema enfrentado, por exemplo, pelo servidor de correio eletrônico está longe da prioridade de um restaurante. Sem dúvida, é um serviço que precisa ser feito por profissionais ou empresas especializadas.

À medida que um empreendedor tem condições de destinar o seu tempo para adotar estratégias voltadas para a melhoria dos serviços e a aquisição dos clientes, maiores são as possibilidades de atingir o crescimento sustentável. Por isso, é importante ter à disposição um suporte técnico de TI.

Redução nos custos gerais

Em um cenário de instabilidade econômica, é essencial que haja um planejamento adequado de todos os custos envolvidos para manter uma empresa funcionando de maneira plena. Nesse caso, a terceirização dos serviços de Tecnologia da Informação é uma alternativa interessante para empresários de pequeno e médio porte.

Dependendo da situação, uma empresa não tem condições de manter uma equipe de TI qualificada em virtude dos custos envolvidos (salários, benefícios, bonificações etc.). Uma boa gestão financeira é indispensável para uma companhia se manter forte, mesmo em momentos de crise.

Atendimento Ágil

Por mais esforçado que um profissional de TI seja, ele corre o risco de não ter o conhecimento necessário para resolver uma demanda em curto prazo. Em virtude do alto nível de competitividade, as empresas não podem se dar o luxo, por exemplo, de ficar várias horas com o site fora do ar.

Nesse caso, contar com um suporte técnico é a garantia de que o problema será resolvido o mais rápido possível. Afinal, a empresa terceirizada tem diversos profissionais qualificados que poderão atuar em conjunto para resolver as demandas com agilidade.

Monitoramento Constante

Um dos grandes benefícios de terceirizar os serviços de TI abrange o monitoramento da infraestrutura que fornece acesso a diversas ferramentas (correio eletrônico, sistemas etc.). Contar com um acompanhamento em tempo real é muito importante para eventuais problemas serem identificados com rapidez.

Quanto mais cedo for identificada uma falha, mais rápida será a atuação para ela ser corrigida. Esse fator não pode ser ignorado pelos empreendedores em hipótese nenhuma, porque a tecnologia atualmente tem um grande impacto na produtividade dos funcionários.

Ajuda especializada

O amadorismo é um dos maiores erros no mundo corporativo. A falta de profissionalismo é um dos principais motivos que levam muitas empresas de pequeno e médio porte à falência. Para ficar bem longe desse problema, uma excelente alternativa é apostar em equipe especializada nos serviços de TI.

A Tecnologia da Informação tem um papel muito importante para os serviços corporativos serem de alta qualidade. Por isso, uma gestão profissional deve ser priorizada para alcançar credibilidade e o respeito do público-alvo.

Terceirização do Suporte técnico de TI: como funciona

Por questões de custos e estrutura organizacional, muitas empresas optam por terceirizar os serviços de TI. Nesse caso, a contração dos funcionários que vão prestar o atendimento é de responsabilidade da empresa terceirizada.

 

Dessa forma, o contratante tem a garantia de que haverá sempre profissionais disponíveis para prestar o atendimento às demandas internas. Isso é muito relevante para o suporte técnico de TI contribuir de forma positiva para o andamento dos trabalhos.

Se você tem dúvidas sobre como terceirizar os serviços de TI, entre em contato com a nossa equipe agora mesmo. Estamos à disposição para iniciar uma parceria de sucesso!

Como os serviços gerenciados de TI podem trazer benefícios para PMEs

A tecnologia proporcionou diversas mudanças nas organizações. Serviços manuais e repetitivos passaram a ser automatizados, agregando mais valor aos negócios. Porém, diante das exigências da Era Digital, uma empresa mais competitiva não é aquela que somente usa a tecnologia em seus processos, mas sim aquela que também gera o máximo de performance para todo o sistema e infraestrutura de TI, revolucionando os resultados da organização.

Com intuito de atender essa nova demanda do mercado, surgiram os serviços gerenciados de TI, uma solução para organizações de qualquer porte ou segmento terem o setor de TI organizado e funcionando perfeitamente, garantindo assim uma maior eficiência operacional.

Ficou interessado? Acompanhe o nosso artigo e entenda o que é, como funciona e quais são os benefícios que os serviços gerenciados de TI podem oferecer para sua empresa.  Confira!

Serviços gerenciados de TI: o que são e como funcionam?

Os serviços gerenciados de TI englobam aspectos de gestão técnica, operacionais e de pessoas, funcionando da seguinte forma: a organização realiza o processo de terceirização de todas as atividades relacionadas à gestão de sua infraestrutura de TI com uma empresa parceira. Assim, os gestores e colaboradores da companhia deixam de se preocupar com essa área e como benefício, passam a focar nos processos fundamentais para o desenvolvimento e sucesso do negócio. 

A gestão de serviços de TI conecta todas as atividades de uma empresa, que necessitam ser gerenciadas por parâmetros de qualidade, tempo e custo, proporcionando um fornecimento de serviços mais focados na entrega de valor aos clientes internos e externos. Isso não apenas garante a otimização das atividades, mas sim o desempenho total das ferramentas utilizadas pelos colaboradores.

Com essa solução, os fornecedores de serviços de TI também podem ter a atuação de consultores, buscando soluções que oferecem para a empresa contratante maior resultado e competitividade no mercado.

Dessa forma, a tecnologia deixa de ser um simples meio de apoio às outras atividades, se transformando dentro do negócio em um fator estratégico, gerando um benefício para a empresa que contrata a solução dos serviços gerenciados de TI.

Quais benefícios os serviços gerenciados de TI trazem para as PMEs?

Assim como as grandes organizações, as médias e as pequenas empresas também precisam de infraestruturas e sistemas completos de tecnologia para um bom funcionamento. Os serviços gerenciados de TI, além de proporcionar rotinas mais eficazes e inteligentes, também oferecem diversos benefícios. Confira!

Mais foco no Core Business da empresa

Oferecer a melhor estrutura em tecnologia e sistemas para os usuários é o objetivo de um negócio que presta serviços de TI, possuindo como essência a abordagem preventiva, ou seja, uma abordagem que permite que sua equipe esteja disponível para prestar suporte, buscar novas tecnologias e trabalhar no desenvolvimento de novos produtos e soluções para oferecer aos seus clientes.

O prestador dos serviços é quem verifica se as exigências estão sendo cumpridas e se responsabiliza pela gestão operacional do time, permitindo à empresa focar em assuntos mais estratégicos do seu core business, se dedicando melhor ao negócio final.

Desenvolvimento interno da sua equipe

As soluções de TI evoluem de modo constante e novos recursos vão surgindo a todo momento. A capacitação faz parte dos serviços gerenciados e, com uma melhor organização das demandas e de seus ativos tecnológicos, é mais fácil para que a sua equipe possa se desenvolver, ampliando suas habilidades e conhecimentos. Assim, sua empresa pode contar com profissionais cada vez mais qualificados e capacitados para vencer os desafios da Era Digital.

Mais flexibilidade para sua empresa

As demandas de TI são tão dinâmicas quanto o mercado. Hoje, pode ser necessário um determinado sistema e infraestrutura, já em um futuro bem próximo, os serviços aumentarão ou mudarão de foco.

Os serviços gerenciados de TI podem ser escaladas facilmente. Na hora de fazer a incorporação de hardwares e formar equipes, por exemplo, é mais simples realizar a realocação, garantindo o cumprimento das necessidades da empresa conforme forem surgindo.

Redução considerável de custos

Como cada vez mais as empresas se encontram dependentes da tecnologia, manter um investimento em TI pode ser sinônimo de alto custo, principalmente para as pequenas e médias organizações que não conseguem contar com uma grande verba disponível para a área.

Os serviços gerenciados de TI mantêm uma estrutura organizada com menos custo, permitindo que todos os gastos sejam planejados e apenas realizados em caso de necessidade. Desperdícios são reduzidos por meio de um constante monitoramento e, em longo prazo, os valores economizados podem ser úteis para investimento em inovação, melhorias de processos e compra de novas tecnologias.

Entenda as diferenças entre os Serviços gerenciados vs Outsourcing de TI

Tanto os serviços gerenciados quanto o outsourcing de TI são práticas de terceirização. Porém, as duas formas possuem grandes diferenças. Veja algumas:

  • Modelo de pagamento: no contrato de trabalho outsourcing, o serviço é pago como um todo, incluindo o tempo que o profissional permanecer ocioso. Já os serviços gerenciados funcionam em um modelo de pagamento sob demanda, em que o fornecedor só paga pelos recursos que utiliza.
  • Postura: no outsourcing a postura é reativa, ou seja, só tratam os problemas quando eles surgem. Muitas vezes, a KPI de sucesso do outsourcing é a diminuição no número de chamados, que indica menos problemas acontecendo. Nos serviços gerenciados a postura é proativa, prevenindo e evitando as falhas. O monitoramento de processos e a gestão da segurança da informação estão entre as principais responsabilidades.
  • Gestão de TI: no outsourcing, o gestor interno acompanha a rotina e evolução dos serviços ativamente. Nos serviços gerenciados, o gestor interno apenas delega e supervisiona e cabe a terceirizada administrar todo o processo segundo o que foi acordado.

Portanto, a terceirização das atividades de TI é uma excelente solução para empresas de todos os portes. Porém, os serviços gerenciados de TI oferecem profissionais capacitados não somente para resolução de problemas, mas também para oferecer constantes melhorias nos processos.

A iamit conta com um grande time de profissionais certificados para entender os desafios da sua empresa e recomendar as melhores soluções disponíveis no mercado. Os escopos de contratação são flexíveis e podem contar com o gerenciamento completo do seu ambiente de TI ou apenas de algumas partes, por exemplo. Agende uma reunião agora mesmo e fale com nossos especialistas.